ASSINE – NÃO AO EUCALIPTO TRANSGÊNICO!

No dia 9 de abril acontece a próxima reunião da CTNBio, e novamente a liberação comercial do eucalipto transgênico entrará em pauta. Na última reunião, ações da mulheres camponesas na fábrica de mudas transgênicas e no plenário da reunião impediram a votação.

Assine a petição on line https://secure.avaaz.org/po/petition/Aos_membros_do_conselho_da_CTNBio_CTNBio_diga_nao_as_arvores_sanguessugas/?ciYRid 

Existem alguns pontos básicos pelos quais acreditamos que o eucalipto transgênico não deve ser liberado:
 
1) ÁGUA: A modificação genética visa acelerar o processo de crescimento e amadurecimento da árvore de sete para quatro anos e meio. O maior consumo de água acontece nos primeiros quatro anos de plantio, onde cada planta consome cerca de 30 litros de água potável por dia por árvore, volume que pode triplicar com o eucalipto transgênico.
 
2) MEL: O Brasil tem hoje cerca de 350 mil produtores de mel, onde 80% são orgânicos. Com a eventual liberação do eucalipto transgênico, e inevitável contaminação do mel, a exportação de mel orgânico será prejudicada pela não aceitação pelo mercado internacional.       
 
3) CONTAMINAÇÃO GENÉTICA: Com o pólen transgênico, ninguém pode assegurar que, 20 ou 30 anos depois de plantada, uma entre milhares ou milhões de árvores transgênicas não possa florescer e contaminar de forma irreversível árvores “normais” da mesma espécie. Isso além do fato de que o pólen de árvores pode ser levado pelo vento a distâncias enormes, atravessando inclusive fronteiras entre países, violando o Protocolo de Cartagena de Biossegurança, do qual o Brasil é signatário.

Somamos isso a toda a nossa luta contra os eucaliptos, que com seus desertos verdes, estão acabando com a água, e tomando a terra de milhares de quilombolas, camponeses e indígenas. Tudo, claro, regado a muito agrotóxico.

Por isso, essa semana, vamos gritar mais alto: CTNBio: #NãoQueremosMaisTransgênicos!

Tagged: ,


'ASSINE – NÃO AO EUCALIPTO TRANSGÊNICO!' não possui comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida