Assentados do RS reivindicam lei que proíbe pulverização aérea de veneno

Nesta sexta-feira, os Sem Terra se reúnem com o prefeito de Nova Santa Rita para discutir o assunto

Por Maiara Rauber, da Página do MST

O assentamento Santa Rita de Cássia II, de Nova Santa Rita, na região Metropolitana de Porto Alegre, sofreu prejuízos em suas produções agroecológicas devido a deriva pela pulverização aérea de agrotóxicos colocado em lavouras vizinhas.

Nos dias 11 e 12 de novembro de 2020, várias famílias assentadas que possuem certificado de produção orgânica perderam seus alimentos agroecológicos após um avião utilizado para fumigação de insumos químicos passar por suas casas, hortas, aquíferos, pastagens, pomares de árvores frutíferas e vegetação nativa. Além disso, os próprios camponeses começaram a passar mal em decorrência dessa pulverização.

As famílias relatam que isso já ocorreu em anos anteriores, mas nenhuma medida foi tomada por parte das autoridades. No entanto, nesta sexta-feira, dia 19, os assentados serão recebidos para uma audiência com o prefeito de Nova Santa Rita, Rodrigo Amadeu Battistela, às 10:30 horas da manhã. O objetivo é solicitar o fim da pulverização aérea de agrotóxicos no município e reforçar a importância da alimentação saudável e agroecológica. 

Serviço

Audiência sobre a deriva de veneno em produções orgânicas do MST
Quando: Dia 19 de fevereiro, às 10:30 horas
Onde: Prefeitura municipal de Nova Santa Rita
Quem: Assentados do MST de Nova Santa Rita



'Assentados do RS reivindicam lei que proíbe pulverização aérea de veneno' não possui comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida