Câmara aprova Pacote do Veneno em votação relâmpago e marca “derrota civilizatória”

“Vence o discurso de que vale tudo para produzir mais soja, enquanto o povo passa fome na fila do osso”, enfatiza Alan Tygel, integrante da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.

Barbara Cruz / @greenpeace

Por Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

* Atualizado às 21h13 com os nomes corretos dos parlamentares que assinaram o requerimento de urgência.

Por 301 a 150, a Câmara dos Deputados aprovou o Pacote do Veneno (PL 6299/2002), na noite desta quarta-feira (09), em menos de 4 horas de debate entre a aprovação do pedido de urgência e a votação do projeto de lei. Sem participação popular, o projeto agora segue para apreciação pelo Senado.

O projeto flexibiliza ainda mais o uso de agrotóxicos no país e substitui o atual marco legal (Lei 7.802), vigente desde 1989. Com violação a diversos artigos da Constituição e acordos e tratados que o Brasil ratificou, o projeto prevê a liberação de agrotóxicos cancerígenos; maior poder ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), e desautorização da Anvisa e Ibama; e abre espaço para uma “indústria” de Registros Temporários. 

A aprovação do PL na Câmara marca um retrocesso histórico, diante do contexto de crise econômica e de crescimento da fome pelo qual o Brasil atravessa. Mais de 116,8 milhões de brasileiros estão em situação de insegurança alimentar, segundo o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, organizado pela Rede PENSSAN.

Para Alan Tygel, integrante da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, a aprovação do Pacote do Veneno é “uma verdadeira derrota civilizatória”. E completa: “Num momento em que o mundo está buscando menos poluição, menor uso de recursos naturais, menos contaminação e emissões de produtos poluentes e tóxicos, o que fazemos aqui? O oposto: libera geral para os agrotóxicos. Vemos um grupo de supostos representantes da população decidindo algo completamente oposto ao verdadeiro desejo da sociedade. Além disso, vence o discurso de que vale tudo para produzir mais soja, enquanto o povo passa fome na fila do osso. Somos os campeões da soja e da fome. A quem interessa isso?”, questiona Tygel. 

A posição da maioria das e dos parlamentares  ignora dezenas instituições científicas públicas, órgãos técnicos, entidades representantes do Sistema Público de Saúde, e de organizações da sociedade civil, que se manifestaram contra o PL 6299 por meio de notas públicas ao longo dos últimos dois anos. Entre elas estão a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Instituto Nacional do Câncer (INCA), Organização das Nações Unidas (ONU), Defensoria Pública da União, Ministério Público Federal e do Trabalho. 

Karen Friedrich, pesquisadora da Fiocruz e membro GT Saúde e Ambiente da Abrasco, afirma que as modificações previstas no PL permitirão a liberação de agrotóxicos ainda mais danosos sejam autorizados no Brasil. “Agrotóxicos com maior risco de câncer, de problemas reprodutivos e hormonais e malformações em bebês terão mais facilidade para serem registrados. Os danos são imprevisíveis, para quem mora próximo das lavouras ou de indústrias fabricantes e principalmente para quem trabalha nesses locais”. 

Para a pesquisadora, as graves consequências diante da aprovação do Projeto de Lei se somam a um cenário de desmonte das políticas de agroecologia, desestruturação dos órgãos de assistência técnica, fiscalização e vigilância em saúde.

“Seguiremos a luta no Senado, e por todos os meios possíveis para barrar este retrocesso. Não vamos desistir de construir um Brasil soberano, agroecológico, e livre de agrotóxicos e transgênicos”, garante o porta-voz da Campanha Contra os Agrotóxicos. A plataforma abaixo-assinado “Chega de Agrotóxicos” soma mais de 1,7 milhão de apoios, e segue aberta a adesões. 

Modernização às avessas 

O PL avança em um contexto de aumento recorde de liberação de agrotóxicos durante o governo Bolsonaro, parte deles extremamente tóxicos e muitos proibidos na União Europeia. Foram mais de 1.500 novos produtos liberados desde o início da gestão, 641 apenas em 2021.   

Arte: Marta Moura / Design Ativista

Nilto Tatto, deputado federal pelo PT-SP,  enfatizou a ineficácia do aumento do uso de veneno na agricultura: “Depois de liberados mais de 1500 agrotóxicos, o curto prazo para a produção de agrotóxicos continuar aumentando”.  

O parlamentar questiona quem, de fato, se beneficia do avanço do PL: “Eu pergunto para os liberais que querem aprovar, vocês querem atender aos interesses do povo brasileiro ou das grandes corporações e dos grandes latifúndios, que é quem ganha dinheiro com a agricultura brasileira? São esses grandes produtores que se apropriam de 60% do Pronaf [Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar] e utilizam na produção de soja para exportação, e não para a produção de alimentos”. Os produtores e distribuidores de veneno receberam cerca de R$ 4,2 bilhões em incentivos fiscais em 2021, por meio da Lei Kandir, de 1996.

O pedido de urgência para a votação do PL pelo plenário da Câmara partiu dos parlamentares Luiz Nishimori (PL/PR), Wellington Roberto (PL/PB), Pedro Lupion (DEM/PR), Isnaldo Bulhões Jr. (MDB/AL), Aline Sleutjes (PSL/PR), Nivaldo Albuquerque (PTB/AL), Cacá Leão (PP/BA), Efraim Filho (DEM/PB), Antonio Brito (PSD/BA), Alê Silva (PSL/MG), Vitor Hugo (PSL/GO) e Paulo Ganime (NOVO/RJ). 

O PL da comida de verdade

O Pacote do Veneno agrupa projetos legislativos que sofreram modificações e disputas há duas décadas no Congresso Nacional. O compilado de 41 proposições a partir do PL 6.299/2002 e do PL 3.200/2015, com o objetivo de substituir a atual Lei dos Agrotóxicos (Lei 7.802/1989). Parte dos projetos buscava ampliar o controle sobre o uso de substâncias tóxicas na produção de alimentos e incentivo à redução do uso. No entanto, a versão votada nesta quarta-feira é amplamente focada na ampliação do uso de agrotóxicos e flexibilização das regras para comercialização e produção. 

Em oposição, projetos que visam reduzir uso seguem com tramitação paralisada na casa legislativa. Entre os projetos que ainda não ganharam espaço na Câmara está o que propõe a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos, a PNARA (PL nº 6.670/2016). Construída por centenas de entidades do campo e da cidade, ligadas à produção e à defesa da agroecologia, da saúde pública, da ciência e da natureza, a PNARA vai na contramão do Pacote do Veneno. 

Isto porque o  PL 6.670 quer a redução gradual do uso de agrotóxicos e o estímulo à transição orgânica e agroecológica; a reavaliação periódica de registro das substâncias (na legislação atual, o registro é eterno); a proibição da aplicação de veneno próximo a áreas de proteção ambiental, de recursos hídricos, de produção orgânica e agroecológica, de moradia e de escolas; e a redução da pulverização aérea.

>> Acompanhe e divulgue os canais da Campanha Contra os Agrotóxicos e Pela Vida:

  

 



'Câmara aprova Pacote do Veneno em votação relâmpago e marca “derrota civilizatória”' have 21 comments

  1. 9 de fevereiro de 2022 @ 20:47 FERNANDO FERREIRA CARNEIRO

    A luta continua!

    Responder

  2. 9 de fevereiro de 2022 @ 21:37 Sônia Aparecida Monteiro dos Santos

    Fora Bolsonaro e sua quadrilha
    Fora Agronegócio
    Pacote Veneno não 👎

    Responder

  3. 10 de fevereiro de 2022 @ 01:02 Vera Maria Couto Zeferino

    CHEGA DE NOS ENVENENAR!!! #forabolsonaro!!!

    Responder

  4. 10 de fevereiro de 2022 @ 07:36 Fernanda

    Até quando vamos ser reféns desses imbecis?
    Lembrem se disso no dia da eleição.
    #forabolsonaro
    #nãoaopacotedeveneno

    Responder

  5. 10 de fevereiro de 2022 @ 14:16 Diógenes Inácio dos Santos Filho

    Chega de agrotóxicos!

    Responder

  6. 10 de fevereiro de 2022 @ 16:00 Flávia da Hora

    Pela vida da nossa população, não aos agrotóxicos. Nossa saúde acima do lucro dos fazendeiros. Por favor, elejam um bom Legislativo e #FORABOLSONARO!

    Responder

  7. 10 de fevereiro de 2022 @ 17:30 Mariana Kuntz

    Luto!

    Responder

  8. 10 de fevereiro de 2022 @ 19:27 Associação de Servidores da Anvisa lança nota crítica à aprovação do Pacote do Veneno na Câmara – Campanha Permanente Contra os Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

    […] de Servidores da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) demonstra preocupação com a aprovação do Pacote do Veneno (PL 6.299) na Câmara Federal, nesta […]

    Responder

  9. 10 de fevereiro de 2022 @ 20:34 Karynne Pimentel

    Absurdo isso não aceito pelas famílias brasileiras não #Forabolsonaroesuasgangues

    Responder

  10. 11 de fevereiro de 2022 @ 06:08 Denislane

    Absurdo e total falta de respeito.
    O governo da morte e da doença.

    Responder

  11. 11 de fevereiro de 2022 @ 09:19 Alexandre Avelino

    Absurdo

    Responder

  12. 11 de fevereiro de 2022 @ 09:20 Alexandre Avelino de Araújo

    Absurdo falta

    Responder

  13. 11 de fevereiro de 2022 @ 17:48 Mazangela

    Sou contra agrotóxicos

    Responder

  14. 15 de fevereiro de 2022 @ 04:59 DINHEIRO ESQUECIDO - Diário Indústria & Comércio - Jornal Curitiba - Economia, Publicidade Legal, Balanços, editais, Politica, esporte, policial, turismo, saúde, tecnologia

    […] Servidores da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) demonstra preocupação com a aprovação do Pacote do Veneno (PL 6.299) na Câmara Federal, na última semana. A crítica central do posicionamento é sobre a retirada das competências da […]

    Responder

  15. 4 de março de 2022 @ 18:00 Mais fome e mais veneno – Nossa Fala

    […] Câmara dos Deputados do PL do Veneno […]

    Responder


Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida