Campanha do MST propõe caminhos ambientais e sociais para o Brasil

Daniel Lamir
Do Brasil de Fato

Entre os dados que comprovam alta nas queimadas pelo país e a negação dessa realidade por parte do governo federal, algumas experiências respondem de forma prática e propositiva. Na mesma semana em que o presidente Jair Bolsonaro tentou culpar populações tradicionais pelos incêndios nos biomas Amazônia e Pantanal, o Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) permaneceu respondendo ao plantar mais árvores.

:: Opinião – Por que Bolsonaro pode mentir na ONU? ::

A semana de 20 a 26 de setembro marca a campanha Plantemos a Resistência: contra o Genocídio e os Despejos. Essa é uma forma de denunciar a conduta política do governo Bolsonaro diante do descontrole diante da destruição da biodiversidade e da pandemia de coronavírus no país, além de protestar contra ações de despejo neste período de crises e necessidade de isolamento social.     

Na prática, a campanha garante o plantio massivo de árvores nas áreas ameaçadas de despejo, construção de bosques em memória das vítimas do novo coronavírus e iniciativas de embelezamento e reafirmação política dos territórios, como pintura de murais, placas e com faixas com palavras de ordem. A semana faz parte de outra grande campanha do Movimento.

:: Em contraponto ao desmonte ambiental, MST planeja plantar 100 milhões de árvores ::

“A campanha faz parte do Plano Nacional Plantar Árvores e Produzir Alimentos Saudáveis, que foi lançada pelo MST. E tem como meta plantar 100 milhões de árvores, ao longo de dez anos. O nosso plano visa reafirmar que Reforma Agrária Popular é sinônimo de alimentação saudável e cuidado com os bens comuns. E, ao mesmo tempo, denunciar as ações e planos de destruição ambiental do agronegócio e da mineração”, explica Bárbara Loureiro, do setor de Produção do MST.


Plano Nacional “Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis” começou em 2019 / Arquivo MST
 

Um dos exemplos da Semana Plantemos a Resistência: contra o Genocídio e os Despejos ocorreu no dia 21 de setembro, no assentamento Dom José Gomes, em Chapecó (SC). Cerca de 300 mudas de árvores nativas foram plantadas inaugurando o Bosque Dom José Gomes.

:: Em ação do MST, mais de mil árvores são plantadas em acampamento no Paraná :::

A ação no oeste catarinense foi realizada um dia antes do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia da ONU. As palavras do capitão reformado adentraram temas como pandemia, economia, questão ambiental e democracia, sendo desmentidas por agências de notícias e repudiadas por movimentos populares, como um “descompasso” com a realidade do país. 


O Governo de Minas Gerais autorizou despejo em agosto, em pleno decreto de calamidade pública / Gean Gomes – MST

“A base da nossa campanha é construir ações que pautem o ‘Fora Bolsonaro’, denunciando ações do governo neste tema ambiental. O segundo objetivo é denunciar o genocídio do governo com a pandemia da covid-19 e essa certa naturalização da morte, sobretudo das pessoas mais pobres. E o terceiro elemento é denunciar a ameaça de despejos aos nossos territórios. Pautando que despejo na pandemia é crime, mas também reafirmar o nosso compromisso de luta com esses territórios”, salienta.

:: Acampamento do MST em MG é alvo de despejo em meio à pandemia ::

As 100 milhões de espécies presentes no Plano Nacional Plantar Árvores e Produzir Alimentos Saudáveis pretende recuperar áreas degradadas por meio da implantação de agroflorestas e quintais produtivos.  

Edição: Douglas Matos



'Campanha do MST propõe caminhos ambientais e sociais para o Brasil' não possui comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida