Fotógrafa mineira lança o livro “15:30”, sobre crime da Samarco em Mariana (MG)

Obra de Isis Medeiros documenta tragédia desde o dia seguinte ao rompimento da barragem de Fundão

Pedro Stropasolas no Brasil de Fato

Nesta segunda-feira (30), a fotógrafa mineira Isis Medeiros lança o livro 15:30, em que documenta em fotografias a tragédia do rompimento da Barragem do Fundão em Mariana (MG), da mineradora Samarco, que em novembro completou cinco anos.

Leia também: Vítimas da Samarco: os esquecidos de Barra Longa e a reparação que nunca existiu

Residente da capital mineira, Belo Horizonte, ela partiu para Mariana quando viu pela televisão as cenas de destruição provocadas crime ambiental na cidade. Até então, Isis trabalhava com registro de eventos e, de vez em quando, registrava protestos de rua. O contato com a cena de destruição provocada pelo rejeito tóxico mudou sua trajetória profissional e a maneira de olhar para a própria origem.

O rompimento da barragem, no dia 5 de novembro de 2015, causou a morte de 19 pessoas. A bacia do Rio Doce foi contaminada por 50 milhões de metros cúbicos de rejeito de mineração, e 860 hectares de Mata Atlântica foram devastados. A lama tóxica atingiu, ao todo, 43 municípios e quatro terras indígenas. Até hoje, a população sente os impactos do crime ambiental e da injustiça.

Na avaliação de atingidos e figuras públicas das instituições de justiça de toda a Bacia do Rio Doce, a Samarco, empresa controlada pela Vale e pela BHP Billiton, ainda não foi punida

Isis vem acompanhando ao longo destes cinco anos a luta dos atingidos por respostas e reparação. Ela participou de reuniões, plenárias, manifestações, marchas e encontros de movimentos sociais, sempre com a câmera na mão. 

Você também pode se interessar: Ailton Krenak: “A mineração não tem dignidade, se pudesse continuaria escravizando”

Ao todo, são mais de 8 mil fotos; destas, 71 foram parar no livro 15:30. O título é referência ao horário em que foi anunciado o rompimento da barragem. Com este material, Isis espera que a história e a luta dessa população não seja esquecida.

“Eu penso que para além do apagamento destas comunidades, do apagamento material de casas, de territórios, de rios, de nascentes, da Bacia do Rio Doce, também tem o apagamento cultural, religioso e espiritual, que é algo que é invisível para os nossos olhos, mas que para essas pessoas tem um significado e tem uma importância muito grande. A fotografia tem esse poder de resgatar a memória das pessoas.” 

O lançamento ocorreu pelo canal do Youtube da editora Tona, com a participação do ativista indígena Ailton Krenak, que escreveu o prefácio do livro, da fotógrafa e documentarista Nair Benedicto e da ativista Simone Silva.
 

Edição: Marina Duarte de Souza e Raquel Setz



'Fotógrafa mineira lança o livro “15:30”, sobre crime da Samarco em Mariana (MG)' não possui comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida