Juventude do Bico do Papagaio (TO) quer permanecer no campo, mas precisa de condições

Diagnóstico, que ouviu 245 jovens, aponta falta de renda e diálogo com a família como maiores desafios

Por Mariana Castro, do Brasil de Fato

Entre o Cerrado e a Floresta Amazônica, jovens da região rural do Bico do Papagaio, no norte do Tocantins, refletem sobre seus sonhos e a vida no campo. A região faz divisa com os estados do Maranhão e do Pará, reconhecida como pré-Amazônica ou zona de ocorrência de babaçuais.

Entre quintais frutíferos e quebra de coco babaçu nas calçadas, há uma população dedicada à agricultura familiar que envelhece, e jovens que se veem diante de um dilema: “o que fazer?”.

O questionamento é uma das bases da pesquisa “Juventudes Rurais do Bico do Papagaio”, coordenada e apresentada em formato de cartilha pela Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins, a APA-TO, o GT das Juventudes Rurais, a Rede Bico Agroecológico e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com o apoio da Misereror, entidade da Igreja Católica na Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento. O levantamento ouviu 245 jovens da região.

A história de Aldimar de Sousa, conhecido como Dimas, é uma das que deu origem ao diagnóstico. Aos 18 anos, ele saiu do campo em busca de oportunidades, mas retornou ao seio familiar e hoje cursa Educação do Campo.


Dimas (à direita) deixou o campo em busca de emprego, mas retornou com ânimo e hoje cursa Educação do Campo. / APA-TO

 “Eu fui em busca de emprego, falando eu na minha cabeça, que eu ia conseguir um emprego em um frigorífico, ter o meu dinheiro. Colocaram isso na minha cabeça. Eu me arrependi bastante”, conta.

A base do trabalho camponês é familiar, por isso muitas crianças já crescem ajudando na lida diária e, mesmo com o passar do tempo, têm seu trabalho compreendido como “uma ajuda para a família” e permanecem sem atividades remuneradas, um dos motivos que os levam a buscar outras alternativas. 

Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas

Aldimar hoje cursa Educação do Campo na Universidade Federal do Tocantins e reconhece o valor do campo.

 “A terra que eu vivo tem três alqueires, e eu nunca pensei que ter um espaço entre uma casa e outra ia trazer tanta paz e tanto conforto ao estar ao ar livre. Uma casa em uma cidade é muito compacta, a gente sai e olha mais casas. Aqui a gente olha árvores, pássaros, bichos, pessoas”, avalia.

Leia também: Cooperativismo no campo gera renda para pequenos agricultores

De acordo com a pesquisa, entre os trabalhos não remunerados desenvolvidos pelos jovens, a roça aparece com maior frequência (18,5%), seguida com mais destaque os afazeres domésticos, do lar e cuidado com a casa (14,2%), a criação de galinha e/ou porco (11,4%) e o trabalho da horta (8,2%).   

Ainda assim, os jovens buscam na própria comunidade maneiras de permanecer no campo. De acordo com o diagnóstico, 72% dos jovens desejam permanecer no campo, mas faltam políticas públicas e diálogo entre a comunidade para que isso seja possível.


Diagnóstico foi feito de forma coletiva, em encontros com a juventude, familiares e movimentos sociais. / APA-TO

O dado foi uma surpresa para os pesquisadores. Selma Yuki, da coordenação da APA-TO, que atua na região desde 1992 a fim de garantir a permanência de agricultoras e agricultores familiares na terra, avalia que para pensar uma solução, é necessária uma construção coletiva, entre os jovens, seus pais, a comunidade em geral e os órgãos competentes.

A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com a sua comunidade e isso é importante

“A gente viu que a juventude tem uma relação de identidade com o território, com a sua comunidade e isso é importante para eles. Agora a gente percebe que existem grandes desafios que impossibilitam a juventude de conseguir ficar no seu território”, analisa Yuki.

Entre as maiores dificuldades apontadas estão falta de renda (32,9%), a falta de incentivo da família (15,3%) e de estrutura como saúde, lazer, esporte e educação (15,3%), entre outros.

O diagnóstico faz parte de um amplo processo de organização da juventude, que seguirá com a realização de 14 encontros para debater os desafios apontados. Os encontros foram suspensos em razão da pandemia, mas devem ser retomados em 2021.

Edição: Rogério Jordão



'Juventude do Bico do Papagaio (TO) quer permanecer no campo, mas precisa de condições' não possui comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida