Fórum do Vale do Jequitinhonha cria Comitê Regional da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida

Por Gabriel Dayer
Cáritas Diocesana do Baixo Jequitinhonha  

O Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Virgem da Lapa acolheu, nos dias 19 e 20 de junho 2012, o Fórum de Convivência com o Semiárido do Vale do Jequitinhonha.  O Fórum do Vale é um importante espaço de participação cidadã, formação política e articulação da sociedade civil que, desde 1990, contribui no controle social das políticas públicas e na luta por direitos humanos no Vale do Jequitinhonha, MG.  

A Campanha Permanente contra o uso de Agrotóxicos e pela Vida foi um dos assuntos  debatidos no encontro em Vigem da Lapa, que contou com a participação de representantes organizações do Alto, Médio e Baixo Jequitinhonha. Os diálogos apontaram que a luta contra os agrotóxicos e a defesa da Agroecologia estão presentes na caminhada das lutas sociais do Vale e a importância da Campanha para unificar as iniciativas e possibilitar a interação com trabalhadores/as de outros setores da sociedade, como os/as da Saúde e da Educação.  

Via Campesina ocupa espaço da CNA na Rio+20

Nesta quinta feira, militantes da Via Campesina de vários países ocuparam o AgroBrasil, espaço da Confederação Nacional da Agricultura na Rio+20. O objetivo foi denunciar que o agronegócio é insustentável, e anunciar que o único modelo sustentável é a agricultura…

IMG 2307

A globalização da luta contra os agrotóxicos

por Alan Tygel

Cúpula dos povos reúne lutadores contra os agrotóxicos da América Latina

IMG 2307
A Via Campesina reuniu nesta terça-feira (19) campanhas contra os agrotóxicos de todo o continentes na Cúpula dos Povos, no Rio de Janeiro. O objetivo do encontro foi socializar as experiências de luta contra os venenos e articular a construção de um movimento latino-americano unificado partindo das experiências já em construção.

O quinto congresso da CLOC-Via Campesina, realizado em Quito em 2010, decidiu lançar uma campanha continental contra os agrotóxicos e pela e vida. Dentre os objetivos da campanha, estão a luta contra as transnacionais dos venenos ,a erradicação dos agrotóxicos e a promoção de uma agricultura alternativa baseada na agroecologia.

Participantes da Cúpula dos Povos lançam moção sobre Agrotóxicos

Nós, participantes da discussão sobre Impactos dos Agrotóxicos na Saúde e no Ambiente, onde foi lançado a 2ª Parte do Dossiê da ABRASCO sobre agrotóxicos, clamamos para que a presidenta Dilma honre o compromisso assumido junto aos movimentos sociais e organizações reunidas na Articulação…

ABRASCO lança segunda parte do Dossiê

Foi lançada neste sábado (16), na Cúpula dos Povos, a segunda parte do Dossiê: um alerta sobre os impactos dos Agrotóxicos na Saúde. Coordenada por Lia Giraldo e com participação de diversos pesquisadores, esta parte da publicação tem o foco…

Agriculturas sem venenos: a Agroecologia aponta o caminho

Por Denis Monteiro

O campo agroecológico brasileiro, mobilizado na Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), pode contar com apoios importantes na sua luta política para mostrar que a Agroecologia é um caminho promissor para o futuro. Vários estudos, realizados por setores da Organização das Nações Unidas (ONU) e por equipes internacionais de pesquisadores independentes, confirmam que sistemas de produção desenhados e manejados de acordo com os princípios da ciência da Agroecologia têm muitas dimensões positivas: altas produtividades por área, estabilidade e resiliência, ou seja, são capazes de resistir a estresses ambientais, chuvas torrenciais e secas, comuns em nossa época de mudanças climáticas. Estes sistemas conservam a biodiversidade nativa e cultivada, usada livremente pelas comunidades, recuperam os solos, protegem e usam com responsabilidade as águas.

Além disso, geram trabalho digno no campo, democratizam a riqueza gerada pela agricultura e atuam na superação da pobreza rural, pois fortalecem a agricultura familiar camponesa e promovem maior autonomia dos agricultores frente aos mercados, seja de insumos, seja na comercialização da produção.
/fotos/20120613/notas/na19fo01.jpg

Una madre contra el glifosato

Testimonio de una mujer cuyo hijo murió al nacer en un pueblo contaminado. En el juicio a dos ruralistas y un piloto por las fumigaciones en el barrio Ituzaingó, de Córdoba, la madre que inició los reclamos en 2001 contó su lucha contra los agrotóxicos. Su bebé nació sin riñones. Y tiene otra hija afectada.

Página 12, Argetina

/fotos/20120613/notas/na19fo01.jpgSofía Gatica relató ayer su historia frente al tribunal que juzga el caso de los agroquímicos.

Sofía Gatica dio a luz un niño con una malformación que le causó la muerte en pocos minutos. Era 2001 y había poco conocimiento sobre la toxicidad de los agroquímicos, pero la cantidad de mujeres rapadas por la quimioterapia y los niños con leucemia cubiertos con barbijos aumentaba por las calles de la capital cordobesa donde vivía la mujer. Incansable, realizó encuestas por el pequeño poblado de cinco mil habitantes, descubrió que el número de patologías era superior a lo normal, sentó denuncias y conformó el colectivo Madres del Barrio Ituzaingó Anexo. Ayer, declaró como querellante en la segunda jornada del primer juicio oral y público penal de Argentina por fumigaciones con sustancias peligrosas para la salud en zonas urbanas. El tribunal escuchó además otros tres testimonios.

Syngenta aceita acordo sobre atrazina na água potável

Traduzido de http://cen.acs.org/articles/90/i23/Syngenta-Settles-Atrazine-Suit.html

A empresa suíça de proteção de colheitas Syngenta chegou a um acordo de 105 milhões de dólares com vários fornecedores de água de comunidades do meio-oeste norte-americano para custear o preço da retirada da herbicida atrazine da água potável. Contudo, a Syngenta não admitiu responsabilidade nenhuma na ação pública.

Os fornecedores de água e os seus representantes partilharão a quantia no acordo, que é planejado para a aprovação do tribunal no dia 22 de outubro. Uma afirmação conjunta das partes explica que o acordo sucedeu “para terminar a incerteza e a despesa de quase oito anos do litígio.” A afirmação continua, “os acusados reconheceram que eles não são conscientes de nenhum novo estudo científico relacionado a atrazine que não esteja já no domínio público.”

‘Uso seguro de agrotóxicos é um mito’

Para o geógrafo Marcos Pedlowski, professor do Laboratório de Estudos do Espaço Antrópico (LEEA) do Centro de Ciências do Homem (CCH) da UENF, “a única forma segura de se lidar com os agrotóxicos é parar de usá-los”. Estudioso do assunto, Pedlowski considera ‘um mito’ a ideia de que há um uso seguro destes produtos. “Creio que a transição para um modelo agrícola pós-Revolução Verde é um dos grandes desafios que a Humanidade deverá enfrentar ao longo do século XXI”, afirma. Graduado e mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com doutorado em Environmental Design And Planning pela Virginia Polytechnic Institute and State University, ele concedeu a seguinte entrevista ao Blog Ciência UENF — que dá continuidade à reportagem Agrotóxicos trazem risco ao produtor, publicada em 11/06/12.

Agrotóxicos: na linha de frente da superexploração dos recursos naturais

Raquel Júnia - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

Pesquisadores discutem como o Brasil chegou ao estágio atual de maior consumidor de agrotóxicos do mundo a partir da análise da inserção econômica brasileira no modelo capitalista.
Após a crise de 1999, a economia brasileira se inseriu no mercado mundial como grande provedora de produtos agropecuários e minerais. Acreditava-se que esta seria uma solução virtuosa para o país em um cenário de recuperação da crise econômica. Mas a escolha do governo brasileiro sustentado pelo pensamento hegemônico capitalista teve e ainda tem um alto custo para os brasileiros: a superexploração dos recursos naturais. O histórico é descrito pelo pesquisador Guilherme Delgado, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Guilherme participou da mesa Agrotóxicos e Modelo de Desenvolvimento, junto com Horácio Martins de Carvalho, da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra) e o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário (Sinpaf), Vicente Almeida. A mesa, coordenada pelo pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Marcelo Firpo, fez parte da programação do Seminário de Enfrentamento aos Impactos dos Agrotóxicos na Saúde Humana e no Ambiente, realizado nos dias 4 e 5 de junho, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Para Marcelo Firpo, a análise do problema dos agrotóxicos no campo da ecologia política permite entender o lugar dessa prática no atual modelo de desenvolvimento. "A mesa traz discussões centrais no ponto de vista da economia política, da luta pela reforma agrária e da busca da prática de uma ciência engajada porque vai atrás das necessidades da população. É uma ciência cidadã, em prol da saúde coletiva e da justiça ambiental, que se articula e se renova permanentemente a partir das estratégias de produção de conhecimento compartilhada com a população e com os movimentos populares", introduz.

Uma população expropriada e adoecida

Pesquisadora denuncia política governamental de ocultamento dos danos à saúde gerados pelos agrotóxicos usados por empresas do agronegócio no Ceará

Maíra Mathias, da ESPJV/Fiocruz


Desmatamento, destruição da biodiversidade, contaminação das águas, poluição sonora, pulverização aérea de agrotóxicos, passividade da comunidade, intoxicações, abortamentos, exploração do trabalhador e má distribuição de renda. A lista, resultado da reflexão de comunidades impactadas pelo agronegócio, é um dos dados da pesquisa coordenada por Raquel Rigotto, professora do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFCE). Também coordenadora do Núcleo Tramas (Trabalho, Meio Ambiente e Saúde), ela participou do no seminário ‘Desigualdade Ambiental e Regulação Capitalista: da acumulação por espoliação ao ambientalismo-espetáculo’, promovido nos dias 31 de maio e 1º de junho pelo Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza (ETTERN) do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Ippur/UFRJ).

Segundo a pesquisadora, o estudo iniciado em 2007 foi motivado pela quantidade anormalmente alta de casos de intoxicações por agrotóxicos na região cearense que estende da Chapada do Apodi, zona na fronteira com o Rio Grande do Norte, ao Tabuleiro de Russas, às margens do rio Jaguaribe. A ligação entre o aumento dos casos e o agronegócio da fruticultura irrigada para exportação chamou atenção dos pesquisadores. Segundo ela, essas empresas –tanto nacionais, quanto transnacionais – começaram a se instalar na região no início dos anos 2000 graças a uma combinação de projetos governamentais de irrigação e incentivos fiscais.
campanha permanente contra os agrotóxicos e pela vida 028

O agrotóxico está na pauta na Fiocruz

Malefícios do agrotóxico na saúde humana e no meio ambiente são discutidos em seminário realizado nos dias 4 e 5 de junho na Ensp.

Viviane Tavares, da EPSJV
campanha permanente contra os agrotóxicos e pela vida 028Na semana em que se comemorou o Dia Mundial do Meio Ambiente, a Fiocruz realizou o Seminário de Enfrentamento dos Impactos dos Agrotóxicos na Saúde Humana e no Ambiente, no auditório da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp), nos dias 4 e 5 de junho. Com a presença de representantes de diferentes setores da saúde, movimentos sociais, alunos e pesquisadores, o evento defendeu que a questão do agrotóxico tem que estar cada vez mais pautada nas discussões de saúde pública.

Logo na mesa de abertura ficou evidente pelas falas dos participantes que as ações de enfrentamento aos agrotóxicos devem ser urgentes. A mesa foi composta pelo vice-presidente da Fiocruz, Valcler Rangel, o diretor do Instituto Nacional do Câncer (Inca), Luiz Antonio Santini; o representante do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc) e professor-pesquisador da EPSJV/Fiocruz, Alexandre Pessoa; o representante da Campanha Nacional contra os Agrotóxicos e pela Vida, Cleber Folgado; o superintendente regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Gustavo Souto; o diretor da Escola Nacional de Saúde Pública - Ensp/Fiocruz, Antonio Ivo de Carvalho, a representante do departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde (SVS/MS), Cássia Rangel; o gerente-geral de toxicologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Luiz Cláudio Meirelles e o representante da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Fernando Carneiro. "Temos que nos libertar do pensamento de que saúde depende unicamente de um avanço tecnológico, saúde depende do acesso e convivência em um ambiente saudável. É importante que assumamos um discurso de que medicina é política. Precisamos encarar uma visão mais humanista neste campo", comentou o diretor da Ensp, Antonio Ivo. Alexandre Pessoa acrescentou ainda que a sociedade é vítima de dois tipos de contaminação: o químico e o político. "Precisamos enfrentar o modelo de desenvolvimento agrário", provocou.

Seminário discute a questão dos agrotóxicos no Rio de Janeiro

Nos dias 4 e 5 de junho, será realizado, na ENSP, o Seminário de Enfrentamento aos Impactos dos Agrotóxicos na Saúde Humana e no Ambiente. A atividade, promovida pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS/Fiocruz), pela Escola Nacional de Saúde Pública, pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) entre outras instituições, pretende compartilhar experiências e formar uma rede em defesa da segurança e soberania alimentar e da proteção ao trabalhador contra os impactos dos agrotóxicos, visando à promoção da saúde ambiental e humana. O evento será aberto ao público, e as inscrições devem ser feitas na segunda-feira (4/6), a partir das 8 horas, no auditório térreo da ENSP, local onde será realizado o evento.

Com vistas à conferência Rio+20, que debaterá o atual modelo de desenvolvimento agrário e seus impactos socioambientais e à saúde, a Fiocruz convida profissionais de saúde, movimentos sociais do campo e a sociedade em geral a participar do seminário. Em 2011, no Brasil, foram registrados 8 mil casos de intoxicações por agrotóxicos, segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Estima-se que, para cada caso notificado, existam 50 não registrados. Os agrotóxicos contaminam o ar, o solo, a água, a biota e os alimentos, causando efeitos danosos sobre o ambiente, a biodiversidade e os seres humanos trabalhadores e residentes do campo, das florestas e das áreas urbanas. A exposição aos agrotóxicos pode causar problemas como infertilidade, distúrbios do Sistema Nervoso Central, imunossupressão e câncer.

A silenciosa praga das lavouras no estado do Rio

do Globo

As lesões vermelhas no rosto, que vez ou outra se espalhavam para braços e pernas, não o fizeram parar de roçar a lavoura. Era seu ofício desde os 15 anos, de sol a sol. Por anos, conviveu com crises, mais ou menos intensas. Teve que amputar o dedo indicador direito, que encaroçou como uma espiga de milho. Para as lesões num braço, quase no osso, precisou fazer enxertos de pele. A audição, frágil, evoluiu para uma quase surdez. Vinte e cinco anos depois de os sintomas surgirem, mais de 40 dias de internação e biópsias, José de Andrade, de 77 anos, descobriu que podia ser mais uma vítima do uso indiscriminado de agrotóxicos. Era só ele e a enxada, sem capa ou máscara. Às vezes, até sem galochas.

— A gente macerava o veneno, que era em pó, com a mão, antes de misturar na água. Depois sentava para almoçar. Durante 30 anos usei os produtos sem proteção. Pegava sol, chuva, tudo. Aplicava contra o vento; saía todo molhado. Não sabia do risco — conta o agricultor, que estudou muito pouco e não entendia as instruções do rótulo dos produtos.
Um levantamento do GLOBO com base em dados do Datasus e do IBGE revela que o Rio tem altas taxas de mortalidade por câncer e suicídio — que pesquisas científicas sugerem ter associação com o uso de agrotóxicos — em três regiões agrícolas. O mapa de ocorrências desses dois problemas coincide com as manchas de produtividade de tomate, escolhido para a pesquisa por ser uma das principais culturas do estado e ter apresentado alto índice de resíduos tóxicos nas últimas análises.