Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida denuncia impactos dos agrotóxicos produzidos pela Bayer e Basf no Brasil

Na manhã deste sábado (05), durante a conferência anual de Acionistas Críticos da Bayer e Basf na Alemanha, Fran Paula e Alan Tygel contextualizaram a luta travada há nove anos pelas centenas de organizações e movimentos sociais articulados na Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida, no combate aos agrotóxicos e na afirmação da Agroecologia como o modelo sustentável para agricultura e para a produção de alimentos saudáveis.

Em suas falas apresentaram dados do estudo Agrotóxicos Perigosos: Bayer e Basf – um negócio global com dois pesos e duas medidas, realizado pela Campanha em parceria com a Inkota, Misereor e Rosa Luxemburgo, onde se denunciou o contexto de uso indiscriminado e criminoso de agrotóxicos em todo território brasileiro.

“44% dos agrotóxicos mais utilizados no país são proibidos na União Europeia. Dos 50 agrotóxicos mais utilizados, 22 são classificados pela Rede de Ação contra Agrotóxicos (PAN) como altamente perigosos”, denunciaram.

A Bayer e Basf vendem no Brasil 24 ingredientes proibidos em seu país sede, a Alemanha. Destes, metade são considerados altamente perigosos.

São inúmeras as evidências científicas que comprovam a presença de agrotóxicos nas águas (incluindo a consumida pelos brasileiros); a contaminação de trabalhadores/as com agrotóxicos no sangue e até no leite materno; a presença de resíduos de agrotóxicos nos alimentos; morte de abelhas por venenos; e contaminação de comunidades indígenas e de agricultores/as familiares que se encontram no entorno das fazendas agrícolas por pulverização aérea, na maioria das vezes de forma intencional sobre essas comunidades tradicionais.

Ainda no campo da denuncia, relataram que, “os agrotóxicos altamente perigosos e proibidos na União Europeia têm facilidade de chegar em determinados países, como o Brasil, devido aos processos mais flexíveis de registro de pesticidas e não responsabilização da cadeia produtiva, provocando violações de direitos. Enquanto a indústria química lucra bilhões por ano com a venda de agrotóxicos no Brasil, o povo brasileiro fica com o custo ambiental e na saúde pública.”

O estudo citado está disponível na íntegra aqui no site da Campanha.



'Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida denuncia impactos dos agrotóxicos produzidos pela Bayer e Basf no Brasil' possui um comentário

  1. 3 de dezembro de 2020 @ 11:25 PARTICIPAÇÃO NA REUNIÃO DE ACIONISTAS CRÍTICOS DA ALEMANHA – Campanha Permanente Contra os Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

    […] No dia 5 de setembro, a Campanha Contra os Agrotóxicos participou virtualmente da reunião anual da Articulação de Acionistas Críticos da Alemanha. A Articulação tem como objetivo comprar ações de empresas alemãs para ter direito a fala durante suas Assembleias de Acionistas, e poder assim incidir criticamente em suas decisões.Desde 2018, a Campanha participa, através desta Articulação, das assembleias de acionistas da Bayer e da BASF, trazendo a denúncia de sua atuação no Brasil para os demais acionistas e buscando mobilizar a sociedade alemã para o tema.A reunião anual da Articulação neste ano teve como um dos temas o projeto de lei alemão das cadeias produtivas, que pretende responsabilizar na Alemanha violação de direitos humanos cometidas por empresas alemãs no exterior ou por empresas da sua cadeia produtiva.SAIBA MAIS:Mais informações (em alemão)Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida denuncia impactos dos agrotóxicos produzidos… […]

    Responder


Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida