REDUÇÃO DE DISTÂNCIAS PARA PULVERIZAÇÃO AÉREA

A Instrução Normativa 13/2020, do MAPA, diminuiu de 500 para 250 metros a distância mínima para a pulverização aérea de fungicidas agrícolas e de óleo mineral na cultura da banana. A medida aumentou a vulnerabilidade das pessoas e comunidades que residem próximas aos monocultivos.

A professora de Direito da Universidade Federal Rural do Semiárido Talita Furtado alerta, com base em estudos desenvolvidos na zona rural de Limoeiro do Norte, no Ceará, que: “se pensarmos em termos de hectares, a estimativa é que, naquelas fazendas do agronegócio, para mais ou menos 2600 hectares de cultivo de banana, se aplicava o equivalente a 66 mil litros de calda tóxica por cada pulverização.

Lembrando que seriam necessárias, mais ou menos, de quatro a seis pulverizações dentro de um determinado ciclo”. Pesquisas detectaram a presença de glifosato no ar inalado tanto da zona urbana quanto da zona rural de Limoeiro do Norte, além disso, 100% das 24 amostras de água coletadas no território acusaram resíduos de agrotóxicos, identificando 22 tipos de venenos agrícolas.

SAIBA MAIS :

A boiada do veneno na pandemia
Debate sobre a pulverização aérea
A quem interessa a pulverização aérea de agrotóxicos nos territórios?



'REDUÇÃO DE DISTÂNCIAS PARA PULVERIZAÇÃO AÉREA' possui um comentário

  1. 3 de dezembro de 2020 @ 11:55 Menos saúde, mais veneno, em um 2020 com porteiras abertas para agrotóxicos – Campanha Permanente Contra os Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

    […] Redução da distância mínima na pulverização aérea de agrotóxicos […]

    Responder


Quer compartilhar suas ideias?

Seu endereço de email não será publicado.

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida